22 janeiro 2010

Penteados

Dicas

Maria da Penha

Olá pessoal ontem liguei o jornal e me deparei com uma imagem assustadora o ex marido que matou a esposa a cabeleireira com 9 tiros em Belo Horizonte, motivo a separação.
As câmeras de segurança que ela colocou no salão gravaram as imagens bárbaras que mostraram tamanha frieza do assassino que viveu com ela por 5 anos, que logo a pos o feito fugiu.
Que nesse momento Deus possa confortar a família, e que ela possa descansar em paz !!
Agora não podemos deixar de fazer nossa parte DENUNCIEM (180)mesmo que achem que a justiça tarda que o homem nao é justo!! vamos a luta, chega de dependencia, temos tantas oportunidades de crescer, !! o tempo passa rápido vamos dar exemplo a nossas filhas e filhos vamos correr a traz de um futuro melhor para eles.
Eles sim precisam de uma base sólida, tenho certeza que de degrau a degrau vamos nos orgulhar futuramente e termos uma vida tranquila!!
divulguem para varias redes o site é www.leimariadapenha.com.br faça seu loguim e participe denuncie ajude uma amiga a se livrar desse mau !! não custa nada, e vc não precisa estar passando pelo problema so de divulgar já estará ajudando.
Abraços e uma palavra amiga não machucam e nao custa nada, não te deixara mais rico nem mais pobre, e sim rico em amizades e conhecimento.
Muito melhor ajudar do que saber que sua amizade é invalida.

A lei

Conhecida como
Lei Maria da Penha a lei número 11.340 decretada pelo Congresso Nacional e sancionada pelo presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva em 7 de agosto de 2006; dentre as várias mudanças promovidas pela lei está o aumento no rigor das punições das agressões contra a mulher quando ocorridas no âmbito doméstico ou familiar. A lei entrou em vigor no dia 22 de setembro de 2006, e já no dia seguinte o primeiro agressor foi preso, no Rio de Janeiro, após tentar estrangular a ex-esposa.
A introdução da lei diz:


« Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8o do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências.»

A lei alterou o Código Penal brasileiro e possibilitou que agressores de mulheres no âmbito doméstico ou familiar sejam presos em flagrante ou tenham sua prisão preventiva decretada, estes agressores também não poderão mais ser punidos com penas alternativas, a legislação também aumenta o tempo máximo de detenção previsto de um para três anos, a nova lei ainda prevê medidas que vão desde a saída do agressor do domicílio e a proibição de sua aproximação da mulher agredida e filhos.

Origem do Nome

O caso nº 12.051/OEA de Maria da Penha (também conhecida como Leticia Rabelo) Maia Fernandes foi o caso homenagem a lei 11.340. Agredida pelo marido durante seis anos. Em 1983, por duas vezes, ele tentou assassiná-la. Na primeira com arma de fogo, deixando-a paraplégica, e na segunda por eletrocução e afogamento. O marido de Maria da Penha só foi punido depois de 19 anos de julgamento e ficou apenas dois anos em regime fechado.

A biofarmacêutica Maria da Penha Maia lutou durante 20 anos para ver seu agressor condenado. Ela virou símbolo contra a violência doméstica.

Em 1983, o marido de Maria da Penha Maia, o professor universitário Marco Antonio Herredia, tentou matá-la duas vezes. Na primeira vez, deu um tiro e ela ficou paraplégica. Na segunda, tentou eletrocutá-la. Na ocasião, ela tinha 38 anos e três filhas, entre 6 e 2 anos de idade.

A investigação começou em junho do mesmo ano, mas a denúncia só foi apresentada ao Ministério Público Estadual em setembro de 1984. Oito anos depois, Herredia foi condenado a oito anos de prisão, mas usou de recursos jurídicos para protelar o cumprimento da pena.

O caso chegou à Comissão Interamericana dos Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA), que acatou, pela primeira vez, a denúncia de um crime de violência doméstica.

Herredia foi preso em 28 de outubro de 2002 e cumpriu dois anos de prisão. Hoje, está em liberdade.
Após às tentativas de homicídio, Maria da Penha Maia começou a atuar em movimentos sociais contra violência e impunidade e hoje é coordenadora de Estudos, Pesquisas e Publicações da Associação de Parentes e Amigos de Vítimas de Violência (APAVV) no seu estado, o Ceará.

Ela comemorou a aprovação da lei. "Eu acho que a sociedade estava aguardando essa lei. A mulher não tem mais vergonha [de denunciar]. Ela não tinha condição de denunciar e se atendida na preservação da sua vida", lembrou. Maria da Penha recomenda que a mulher denuncie a partir da primeira agressão. "Não adianta conviver. Porque a cada dia essa agressão vai aumentar e terminar em assassinato."

Em razão desse fato, o Centro pela Justiça pelo Direito Internacional (CEJIL) e o Comitê Latino-Americano de Defesa dos Direitos da Mulher (CLADEM), juntamente com a vítima, formalizaram uma denúncia à Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA que é um órgão internacional responsável pelo arquivamento de comunicações decorrentes de violação desses acordos internacionais.

Criticas Negativas

Alguns críticos alegam que, embora mais rara, a violência contra o homem também é um problema sério, minorizado pela vergonha que sentem em denunciar agressões sofridas por parte de companheiras agressivas.[5] É caracterizada pela coação psicológica, estelionato (como casamentos por interesse), arremesso de objetos e facadas.

Um dos pontos chave é que o artigo 5º da constituição garante direitos iguais a todos, portanto o termo "violência contra a mulher" é incompleto, pois separa a violência "[...] contra as mulheres dos demais".[6] Um caso típico, foi a série de críticas propugnadas por um juiz de Sete Lagoas, Edilson Rumbelsperger Rodrigues, contra a lei, segundo ele, entre argumentos a respeito de Adão e Eva, "A vingar esse conjunto de regras diabólicas, a família estará em perigo, como inclusive já está: desfacelada, os filhos sem regras, porque sem pais; o homem subjugado."[7]

Uma outra crítica vem do delegado Rafael Ferreira de Souza, ele afirma "Quantas vezes presenciei a própria mulher, vítima de uma ameaça ou de uma lesão corporal, desesperada (literalmente) porque seu companheiro ficaria preso, [...]".

Fonte: Wikipedia


Quantidade de processos em tramitação: 150.532
Número de Ações Penais: 41.957
Número de Ações Cíveis: 19.803
Número de Medidas protetivas concedidas: 19.400
Quantidade de Audiências realizadas para deferimento de medidas protetivas de urgência: 60.975
Número de prisões em flagrante: 11.175

Fonte: Dados informados de Julho a Novembro de 2008, publicado na III Jornada Lei Maria da Penha, apresentação da conselheira Andréa Pachá / Agência CNJ de Notícias.


Central de Atendimento à Mulher
A Central de Atendimento à Mulher –
Ligue 180 -, da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, registrou, de janeiro a junho deste ano, 161.774 atendimentos – um aumento de 32,36% em relação ao mesmo período de 2008, quando houve 122.222 atendimentos. Em números absolutos, o estado de São Paulo é o líder do ranking nacional com um terço dos atendimentos (54.137), que é seguido pelo Rio de Janeiro, com 12,28% (19.867). Em terceiro lugar está Minas Gerais com 6,83% (11.056).


Tipos de violência - Dos 17.231 relatos de violência:
93% são relacionados à violência doméstica e familiar, sendo que em 67% desse, os agressores são, na sua maioria, os próprios companheiros.
9.283 do total desses relatos foram de violência física;
5.734 violência psicológica;
1.446 violência moral;
256 de violência sexual;
54 de cárcere privad;
17 de tráfico de mulheres; e 60 outros.


Na maioria das denúncias/relatos de violência registrados no Ligue 180, as usuárias do serviço declaram sofrer agressões diariamente (69,28%).

No primeiro semestre de 2009, houve 811 relatos de violência, classificadas como dano emocional ou diminuição da auto-estima. A categoria foi inserida no sistema a partir de março deste ano para dar visibilidade a uma demanda recorrente, que apesar de não estar tipificada no código penal como crime, está muito presente no discurso das mulheres que utilizam os serviços da Central.

Perfil - A maior parte das mulheres que entrou em contato com a central é negra (43,26%), tem entre 20 e 40 anos (66,97%), é casada (55,55%) e um terço delas cursou até o ensino médio.

Quando considerada a quantidade de atendimentos, relativa à população feminina de cada estado, o Distrito Federal é a unidade da federação que mais entrou em contato com a Central, com 242,1 atendimentos para cada 50 mil mulheres. Em segundo lugar está São Paulo com 129,6 e em terceiro, Espírito Santo, com 123,3.




Central de atendimento a mulher em Minas Gerais

Nome da entidade:
Centro de Referência Bem vinda de Belo Horizonte
Endereço:
Avenida do Contorno, 2231, Bairro Floresta
Município:
Belo Horizonte
Telefone:
(31)3277-4380Fax: (31)3277-9758



Delegacias Especias de Atendimento a Mulher

Nome da entidade:
DEAM Formiga
Endereço:
Rua Coronel Manuel Justino Nunes, 10, Centro
Município:
Formiga
Telefone:
(37)3322-2656Fax: (37)3322-2656


Nome da entidade:
DEAM Muriaé
Endereço:
Rua José Freitas Lima, 02, Bairro Safira
Município:
Muriaé
Telefone:
(32)3722-2777Fax: (32)3722-2777

Nome da entidade:
DEAM Juiz de Fora
Endereço:
Rua Custódio Tristão, 76, Bairro Santa Teresina
Município:
Juiz de Fora
Telefone:
(32)3229-5822Fax: (32)3229-5825


Nome da entidade:
DEAM Ponte Nova
Endereço:
Rua Felisberto Leopoldo, 262, Santa Teresa
Município:
Ponte Nova
Telefone:
(31)3817-1599Fax: (31)3817-1699


Nome da entidade:
DEAM Leopoldina
Endereço:
Rua Ribeiro Junqueiro, 405, Bairro Centro
Município:
Leopoldina
Telefone:
(32)3441-2765Fax: (32)3441-2489
E-mail:
regional.leopoldina@policiacivil.mg.gov.br;


21 janeiro 2010

Casamento!!

Na maior parte das sociedades, só é reconhecido o casamento entre um homem e uma mulher. Em alguns países (em Maio de 2009, a Holanda, a África do Sul, o Canadá, a Noruega, a Bélgica, a Espanha e a Suécia), estados federados (o Massachusetts, o Connecticut, o Iowa, o Vermont e o Maine) e confissões religiosas(protestantes), é também plenamente reconhecido o casamento entre duas pessoas do mesmo sexo.

Embora o casamento seja tipicamente entre duas pessoas, muitas sociedades admitem que o mesmo homem (ou, mais raramente, a mesma mulher) esteja casado com várias mulheres (ou homens, respectivamente). Embora muito raros, há algumas situações de sociedades em que mais que duas pessoas se casam umas com as outras num grupo coeso.

As pessoas casam-se por várias razões, mas normalmente o fazem para dar visibilidade à sua relação afetiva , para buscar estabilidade economica e social, para formar família,procriar e educar seus filhos, legitimar o relacionamento sexual ou para obter direitos como nacionalidade.

Um casamento é frequêntemente iniciado pela celebração de uma boda, que pode ser oficiada por um ministro religioso (padre,rabino, pastor etc.), por um oficial do registro civil(normalmente juiz de casamentos) ou por um indivíduo que goza da confiança das duas pessoas que pretendem se unir.

tirado dqa Wikipédia

O Que ensina a Bíblia sobre o casamento? O casamento é uma ligação permanente e dedicada entre um Homem e uma mulher. A Bíblia diz em Mateus 19:5-6 “Deus ordenou: Por isso deixará o homem pai e mãe, e unir-se-á a sua mulher; e serão os dois uma só carne? Assim já não são mais dois, mas um só carne. Portanto o que Deus ajuntou, não o separe o homem.”

Como devem os maridos tratar as suas esposas? A Bíblia diz em Efesios 5:25-28 “Vós, maridos, amai a vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela, a fim de a santificar, tendo-a purificado com a lavagem da água, pela palavra, para apresentá-la a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem qualquer coisa semelhante, mas santa e irrepeencivel. Assim devem os maridos amar a suas próprias mulheres, como a seus próprios corpos. Quem ama a sua mulher, ama-se a si mesmo.”
Os maridos devem tratar as suas esposas com respeito e honra. A Bíblia diz em 1 Pedro 3:7 “Igualmente vós, maridos, vivei com elas com entendimento, dando honra à mulher, como vaso mais frágil, e como sendo elas herdeiras convosco da graça da vida, para que não sejam impedidas as vossas orações.”


Como devem as mulheres tratar os seus maridos? A Bíblia diz em Efesios
5:22-24 “Vós, mulheres, submetei-vos a vossos maridos, como ao Senhor; porque o marido é a cabeça da mulher, como também Cristo é a cabeça da igreja, sendo ele próprio o Salvador do corpo. Mas, assim como a igreja está sujeita a Cristo, assim também as mulheres o sejam em tudo a seus maridos.”


Significa isto que a mulher deve ser a única a submeter-se? Não! Num casamento ambos se submetem. A Bíblia diz em Efesios
5:21 “Sujeitando-vos uns aos outros no temor de Cristo.”


Que conselho Bíblico proíbe o abuso físico e verbal? A Bíblia diz em Colossenses
3:19 “19Vós, maridos, amai a vossas mulheres, e não as trateis asperamente.”


Para ter um bom casamento, resolvam as vossas
diferenças imediatamente. A Bíblia diz em Efesios 4:26 “Irai-vos, e não pequeis; não se ponha o sol sobre a vossa ira.”
Faça com que a relação esteja sempre a melhorar no sentido de unidade e de entendimento da parte um do outro. A Bíblia diz em Efesios
4:2-3 “Com toda a humildade e mansidão, com longaminidade, suportando-vos uns aos outros em amor, procurando diligentemente guardar a unidade do Espírito no vínculo da paz.”


Que perspectiva deve ter a sociedade sobre o casamento? A Bíblia diz em Hebreus 13:4 “Honrado seja entre todos o matrimonio
e o leito sem mácula; pois aos devassos e adúlteros, Deus os julgará.”


Que mandamentos deu Deus para proteger o casamento? O séptimo e o décimo mandamento. A Bíblia diz em Êxodo 20:14, 17 “Não adulterarás. … Não cobiçarás a casa do teu próximo, não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma do teu próximo.”


Qual é a única razão válida que Jesus deu que permite o divórcio? A Bíblia diz em Mateus 5:32 “Eu, porém, vos digo que todo aquele que repudia sua mulher, a não ser por causa de infidelidade, a faz adúltera; e quem casar com a repudiada, comete adultério.”


Quanto tempo deve durar o casamento? A Bíblia diz em Romanos 7:2 “Porque a mulher casada está ligada pela lei a seu marido enquanto ele viver; mas, se ele morrer, ela está livre da lei do marido.”


Que instrucções dá a Bíblia sobre com quem nos devemos casar? A Bíblia diz em 2 Coríntios 6:14 “Não vos prendais a um jugo desigual com os incrédulos; pois que sociedade tem a justiça com a injustiça? ou que comunhão tem a luz com as trevas?“


O romançe e o sexo recebem as bençãos de Deus quando usados dentro do casamento. A Bíblia diz em Provérbios 5:18-19 “Seja bendito o teu manancial; e regozija-te na mulher da tua mocidade. Como corça amorosa, e graciosa cabra montesa saciem-te os seus seios em todo o tempo; e pelo seu amor sê encantado perpetuamente.”

Fonte:

www.jesusvoltara.com.br

A principal esperança do Homem é ser FELIZ; não é apenas ter mais velocidade, mais eficiência, mais globalização ou mesmo mais dinheiro, o que queremos é: Mais felicidade! Creio que poucos negarão que esta é a principal META do ser humano. E nós fomos feitos para a felicidade e a procuramos, necessariamente.

O nosso desafio é encontrá-la onde ela estiver e não onde queremos que esteja. A felicidade geralmente é encontrada nos lugares e nas pessoas mais simples que jamais imaginamos. Na verdade, a felicidade perfeita só pode ser encontrada de modo real e permanente em DEUS: Fonte de felicidade eterna!!

E dentre todas as coisas humanas, o CASAMENTO é o que promete mais FELICIDADE, mais chances de se exercer e encontrar nele profundidade para a VIDA.

Na verdade o que quero dizer é sobre o MATRIMÔNIO, que é um passo além do casamento. Segundo o dicionário Aurélio, Casamento é a união solene entre duas pessoas de sexos diferentes, com legitimação religiosa e / ou civil. MATRIMÔNIO, é uma celebração solene, sendo um dos 7 sacramentos da Igreja. E encontrar o parceiro para esta jornada me parece ser hoje um dos maiores desafios do Homem “moderno”.

O MATRIMÔNIO é ainda a fonte estabilizadora das sociedades, por ser a base para geração das FAMÍLIAS, na sua acepção fidedigna. É onde as VIRTUDES humanas são iniciadas e aprofundadas através dos exemplos. Se quisermos destruir um País e só acabar com as famílias.

Entendo que houve profundas alterações comportamentais nestes últimos 50 anos que mudaram a trajetória do Casamento. Uma longa história carrega esta instituição ao longo do existencialismo humano e nas diversas formas sociais e religiosas; o casamento traz fartura de estatísticas e análises que poderiam nortear debates infindáveis. Vamos preferir nos ater a nossa realidade alcançável.

Estou convencido de que, traçando um paralelo, o Casamento de hoje se tornou uma possibilidade cada vez mais remota e inexeqüível, vendo-o ou percebendo-o da forma como estamos sendo levados. Comparo-o a um pino elétrico de duas saídas que se encaixa a um pino de duas entradas: macho-fêmea; onde o primeiro pino seria o da necessidade fisiológica e o segundo pino, todas as demais “exigências”. Era o Casamento tradicional de “antigamente”. Hoje, para a escolha de nosso parceiro, temos uma infinidade tão grande de pinos que dificilmente já encontramos alguém com a mesma quantidade de in eout ; muito menos fazer com que se encaixem. Seria como nas entradas e saídas de nossos computadores que nem sabemos para que existem tantos “dentinhos”. E quando se encaixam, já existem pinos mais modernos que satisfazem melhor as “necessidades”. A individualidade crescente cria opções cada vez mais pessoais e acabamos achando que as pessoas com quem conviveremos é que devem se encaixar aos nossos pinos, e não o contrário.

O casamento se tornou gestão de Marketing, onde as pessoas se tornaram produtos em busca de um público alvo e desenvolvidos com foco definido. Ou seja, cada vez mais estamos segmentados, cada um sendo lançado no mercado em busca de um consumidor cada vez mais exigente e arredio. Outrora bastava ter o produto e o seu respectivo preço e o consumidor estava satisfeito; hoje, temos que saber como e onde disponibilizar os candidatos, como promover e como agregar valor a eles. Enfim viramos produto de consumo e com brutal concorrência e exigências e, o pior, com índice de satisfação pós-venda duvidosa e sempre em contestação.

Assim, esta é a primeira grande dificuldade: encontrar o parceiro certo neste mundo desvairadamente globalizado, e que ambos estejam dispostos a serem complementares e não se mantendo inflexíveis com a sua individualidade: princípio fundamental do Casamento.

A segunda questão envolve o período do conhecimento mútuo, hoje totalmente exacerbado do sentido real. Quando duas pessoas começam a pensar que “foram feitas uma para a outra”, podem acabar por julgar que não foram feitos para mais ninguém, e que também não precisam de mais ninguém.

O Amor romântico não enxerga os defeitos da outra pessoa. O Amor Real tende a enxergar todos, ou pelo menos estar convencido de que existem os defeitos e que vão se manifestar um dia. E temos que amar o outro com os defeitos que tem, isto é, amá-lo como na verdade é. E de tudo, é o mais difícil!!

Portanto, o período de escolha deve ser exercido com critério, e após isto, o Casamento pressupõe Comprometimento Mútuo.

Uma declaração que equivale a dizer “Eu o amo com a condição de que você não tenha defeitos” simplesmente não seria amor. Querer o amor com a condição de que não seja necessário esforçar-se para amá-lo...... é puro e simples egoísmo. Esta é a fonte constante dos desacertos pré e pós Casamentos. A FELICIDADE que o casamento pode e deve trazer está enraizada no aspecto de compromisso e entrega que caracteriza o amor conjugal. Longe de mortificar a liberdade da pessoa, esta fidelidade protege-a do subjetivismo e relativismo e torna-a participante da sabedoria Criadora. São destrutivas e ameaçadoras as forças que pregam que a felicidade pode ser alcançada sem norma moral alguma, sem nenhum autodomínio ou generosidade e sobretudo a uma vida centrada no eu.

O Casamento é, obviamente, uma das tendências mais naturais da natureza humana. Ora, se é assim, parece difícil imaginar que, em circunstâncias normais, seja natural que o casamento fracasse. Se tantos casamentos fracassam hoje em dia, talvez seja porque as circunstâncias que cercam o matrimônio já não são normais. Ao invés de o casamento estar fracassando para o homem, não será o homem que vem fracassando em relação ao casamento??

Não será que o erro, ao invés de residir no casamento, reside no homem moderno, e mais especialmente no modo como ele encara o casamento?? A polarização nas coisas terrenas e a procura egocêntrica do hedonismo satisfazem a sede de felicidade??

O amor no casamento não está destinado a permanecer apenas como amor entre duas pessoas. A vocação natural é expandir-se, incluir cada vez mais elementos. O Amor conjugal está projetado para se tornar amor familiar; está destinado a crescer seja biologicamente ou não, e neste crescimento, incluir e acolher outros seres humanos, que são o fruto deste amor. Mesmo aos casais que não concebem naturalmente (hoje próximo de 30%) a expansão deste amor com agregação é recomendável.

Todo casamento chega a um período crítico, a um ponto de inflexão a partir do qual crescerá rumo a uma realização mais plena e definitiva, ou irá de mal a pior. Este momento pode sobrevir em um tempo muito curto, tão logo se desvaneça o clima romântico e fácil, coisa que ocorre freqüentemente um ou dois anos depois do casamento. Se o casal não enfrentar adequadamente este momento crítico, o casamento poderá ir por água abaixo. O respeito e a compreensão mútua irão diminuindo, e as discussões e brigas se tornarão cada vez mais freqüentes; terá começado um processo gradual de distanciamento que pode terminar, dez ou quinze anos mais tarde, numa total indiferença mútua ou numa ruptura.

Na verdade, em geral, parecemos ter mais facilidades para ver os defeitos dos outros do que para identificar suas virtudes. Isto acontece especialmente quando duas pessoas vivem juntas de um modo tão constante e íntimo como no casamento. E acontece sobretudo quando, nessa vida em comum, preferem ficar a sós. Duas pessoas que se olham continuamente frente-a-frente encontrarão com certeza muito mais defeitos uma na outra.

Quando este tempo de prova chegar, cada um dos cônjuges necessitará, em primeiro lugar, de um motivo de peso que o ajude a ser Leal ao outro, um motivo que seja suficiente para fazê-lo perseverar na tarefa de aprender a amar o outro. Em segundo lugar, cada um necessitará de um motivo poderoso que leva a aperfeiçoar-se pessoalmente, a ser menos egocêntrico e mais amável. Na figura dos filhos, a natureza põe nas mãos esses dois motivos.

Para que o amor não somente sobreviva, mas cresça, cada um dos cônjuges tem de poder descobrir virtudes - virtudes novas ou virtudes amadurecidas - no outro. Para que o amor no casamento cresça, o outro tem que tornar-se cada vez mais amável. E aqui está uma das maiores virtudes do casamento. A pessoa se tornará mais amável para o parceiro e também para o mundo, e progredir, se efetivamente for convertendo em uma pessoa melhor. A generosidade e doação de si mesmo é que torna uma pessoa melhor e mais amável. O sacrifício pelo outro é uma exigência da vida matrimonial. Todo o sacrifício que os filhos exigem dos pais já desde os seus primeiros anos é o principal fator previsto pela natureza para amadurecer, desenvolver e unir os pais. O sacrifício compartilhado é um dos melhores laços de amor.

Vejamos algumas dicas que os protagonistas do Casamento mais longo do mundo (Percy e Florence, de Londres), segundo oGuinness Book , nos deram depois de 80 anos de matrimônio:

-Não esticar uma discussão

-Beijar-se com freqüência

-Dar as mãos para ir para a cama

-Cultivar o prazer de estar na companhia do outro

-Querer sempre a felicidade do outro

Hoje, depois de longas e intermináveis controvérsias, o Matrimônio estável volta a estar na moda, e inclusive na moda o Casamento religioso. O índice dos casamentos desfeitos chegou próximo a 50 % nos últimos anos nos EUA, na Inglaterra a 40 %, e no Brasil estamos próximo disso. Somente 18 % dos matrimônios superam os 20 anos e menos de 6 % os 30 anos. E comemoram BODAS de OURO somente 0,31 %, ou seja, três casais em casa 1000 atingem este marco histórico. Lembremos que para se casar são necessárias duas pessoas e para divorciar-se, basta uma. Hoje é mais fácil terminar um casamento de 25 anos do que finalizar um contrato de trabalho de poucos meses. Não há uma incongruência nisso??

A questão não é eliminar as leis do divórcio, ou iniciar uma discussão sobre a sua bondade ou maldade. O que importa é trabalhar para o fortalecimento do matrimônio, ajudar os casais com problemas a superá-los. Se for possível, ainda que difícil às vezes, não optar pela saída do divórcio que pode parecer fácil à primeira vista. É trabalhar com vistas ao futuro, formando as novas gerações para que vivam seu matrimônio com a decisão firme de esforçar-se para que seja de fato “até que a morte nos separe”.

Hoje em dia, parece soar bem expressar em público que o matrimônio é somente uma opção entre outras e que a mera co-habitação deveria ter os mesmos direitos. Direitos à parte, porém, a realidade social prova que o matrimônio ainda marca a diferença.

As estatísticas e os benefícios a longo prazo justificam e provam que o matrimônio seja tratado como uma opção social preferível. Em conjunto, os casados gozam de melhor saúde, têm um estado emocional e psíquico mais satisfatório e estão mais estimulados a aumentar as suas rendas que aqueles que vivem sós ou que co-habitam. A questão da defesa do contrato matrimonial, pelos seus efeitos positivos, deixou de ser uma “mera” preocupação moral para se converter em uma questão de saúde pública.

A segurança de um matrimônio estável assemelha-se a um seguro TOTAL, que anima os pares a tomarem decisões em conjunto e a se especializarem em tarefas que facilitam a vida em comum. A não estabilidade atua como um freio e corta as possíveis economias de escala, pois pretende-se ao mesmo tempo nadar por aí e guardar a roupa em casa. Também a ameaça que os tribunais possam dividir as propriedades, ou definir a quem corresponde a custódia dos filhos, impedem uma tranqüilidade produtiva.

Vários fatores sociais foram pesquisados ao redor do mundo sobre as vantagens de um casamento estável, indo desde o aumento da felicidade geral, como melhor saúde e qualidade de vida além de maior expectativa de vida, passando por todos os tipos de indicadores sociais.

Os rendimentos nas famílias estáveis nos EUA chegam a ser 90 % maiores do que as famílias que vivem juntas mas não casadas e 160 % maiores que as separadas ou divorciadas.

No Chile, 76 % dos jovens encarcerados não contam com pais casados, 44 % provêm de famílias instáveis e 64 % provêm da gravidez de adolescentes.

Nos EUA 60 % dos reclusos por roubo, 72 % assassinos juvenis e 70 % dos condenados à prisão perpétua cresceram em famílias sem pai. O abuso sexual por parte dos padrastos é de 6 a 7 vezes superior à média.

Nos EUA, 92 % das crianças que recebem serviços de assistência do estado, provêm de casamentos inconsistentes ou fracos, tornando-se um grave problema público.

No Reino Unido, 80 % das crianças que apresentam conduta adequada estão perto dos seus pais biológicos e somente 4 % dos que têm problemas de conduta vivem com seus pais verdadeiros.

As estatísticas indicam que, quem se divorciou uma vez, tem hoje 60 % de chances de se divorciar novamente, contra 45 % na média de quem ainda não o fez.

Está também comprovado que os filhos de casais com más relações, porém que permanecem unidos, se divorciam menos que aqueles cujos pais optaram pelo divórcio e se encontram em melhor situação que os filhos destes.

Comprovou-se ainda que, nos países com história de divórcio, as uniões irregulares aumentam.

Nenhum adulto, filho de família divorciada, quer que seus filhos repitam suas experiências de infância.

Fonte:

Francisco Hirota

Em discurso proferido por ocasião da solenidade de comemoração da Bodas de Ouro dos seus sogros

Setembro 2005

Casamento é o compromisso de aprender a resolver as brigas e as rusgas do dia-a-dia de forma construtiva, o que muitos casais não aprendem, e alguns nem tentam aprender. Obviamente, se sua esposa se transformou numa megera ou seu marido num monstro, ou se fizeram propaganda enganosa, a situação muda, e num próximo artigo falarei sobre esse assunto. Para aqueles que querem ter vantagem em tudo na vida, talvez a saída seja postergar o casamento até os 80 anos. Aí, você terá certeza de tudo.

Ninguém tem os mesmos pensamentos, as certezas mudam os ideais mudam e nos fazem crescer e ver a vida de um outro jeito.. conhecer quem nos amamos nos faz sentir o que é o amor, amar e bom de mais, e puro, nao importa oque pensam a maldade que usam a inveja que desperta, o amor se é verdadeiro e eterno, o importante é amar e saber que tudo com amor é bom

O que acha sobre o assunto?? As casadas dêem sua opinião ?? As solteiras. Porque não querer casar ??

Fontes tiradas da internet e livros .

Pollyana Pereira

Ocorreu um erro neste gadget